terça-feira, 15 de julho de 2008

Quiçá


Nem sempre sabem
O que dizem os poetas...

Quando digo Rio
Vai além da águas
e da minha Boca

Por isso sou Pássaro Verde.
Tenho sede
que cruza o rio, mata rio
e sacia na terra
(...)
Nem sempre entendo
o que sinto poeta

Fantasmas de águas
E revoltas ribeirinhas
um choro verde
e um vento me treme

poeta Nem sempre poeta
Humano em tantos ramos
Uma floresta de sentidos
Um morro sem planos

Poeta quiçá poeta....

(Michel Costa)

2 comentários:

Maria Juliana disse...

O poeta é o indescritível intrigante dos sentidos! Está lá, explicar é perdê-lo.

LIiiiiiiiiiiiiiDDDDDDDDDDDDDÃAAAAAAAAAAAAAAAAAAAOOO

Márcia Leite disse...

Maravilha!

=)