sexta-feira, 18 de julho de 2008

Antes de acordar
Minha alma orvalha
E levanto impregnado
De mim

Escorro pelo mundo,
Cheirando, táctil,
As curvas da Estrada...

É a minha condição!

Só assim retorno
Repleto de outras almas
Onde também restei...
Até não ser inteiro
Porém mais belo

Me olho no espelho
E vejo tantos rostos
Traços que nunca vi...
Espumas de mar
e Ana, e Luís
De fera, de pedra
Até mesmo a alma do ar
Com seus pés de vapores
Que tocam o chão sem marcar

És meu orgulho
Ser todo em mim
Durante toda nossa vida...

Nenhum comentário: