domingo, 18 de outubro de 2009

Inane

As águas matam
de inanição com o ar
da tua espera

Minhas raízes
Encharcadas de pó
Minhas lágrimas

Esquecidas da arte de chorar


tudo e nada
de uma sede úmida
de talhar palavras
No alquebrar de gotas
por uma vida que
não espera



M.C.

3 comentários:

Priscila "Six" Rodopiano disse...

de qualquer forma, a vida é tudo e nada de um não esperar mesmo...
Adorei!
Xêro!

Mayra disse...

no limite da espera...
lindo! como sempre!

George Martins disse...

rééé