segunda-feira, 26 de maio de 2008

Café Saudade



Sonhei ter feito café
Um velho café
de ordem diáfana, para minha avó
que à categoria chamo Mãe.

Desde que ela o provou
Disse ter o gosto de saudade...
Não acreditei até prová-lo
e no mesmo instante chorei
como não fazia desde bebê,
quando me desliguei do ventre
e me liguei ao umbigo do mundo


Lá estavam as memórias
as corroídas tardes
e as espumantes luas
as sombras de agosto
que me trilhavam meu avô
meus cachorros
minhas aventuras

Foi estranho


Cada pessoa adquirindo sabor
Menta, gengibre, chocolate
Tardes limão
E o Sol não fecundado
Se espalhando sangue
Para nascer a noite...

Nessa hora olhei pra janela
e vi que o outono chegara...


(Michel Costa)

4 comentários:

Maria Juliana disse...

Primeiro Comentário!

LiiidddddÂAAAAAAAAAAAAooooooooooooooo! Mais Príncipe!

Assim não vale Lidão, café e saudade ... hum ... gostoso!

Rosas & Cravos disse...

Adorei!!
Lendo pela manhã então...uma manhã chuvosa como essa de hj...
Lembra saudade, janela e café quente na xícara à propósito!!!
Maravilhoso!
Parabéns, querido!!
=)

Sandra Coeli disse...

Mon ami Michel!
São lindos seus poemas!!!
Sinestesia " a flor da pele"
Parabéns!

PAULA REGINA disse...

Parabéns meu deputado!!!
São lindos os seus versos,de muito bom gosto!!!
bjão