terça-feira, 27 de maio de 2008

Cabelos das águas

Um anjo Loiro
Desses, da Incompreensão
Pousou nas minhas águas
Durante o sono...

E como era bela!
Seus cabelos, ah...seus cabelos
Me escorriam à face
Numa tão reta silhueta
Que alinhava o Sol...

Me disse das penas, punhos
Caiu nos meus braços
Pediu colo, disse "te amo"
E partiu...
Antes que o Agosto
A levasse nas chuvas...

Encontrei nisso sua classificação
Assim como estas rimas
Que de tanto soarem
Espantaram o sono, os anjos
As águas e os cabelos,
Deixando apenas o sol
Sussurrando nas frestas do caminho
O dia em meus olhos...


(Michel Costa)

5 comentários:

Pois é, Poesia disse...

prazer imenso,
passar aqui,
tomar um café...
numa tarde angélica...

mais um blogueiro para caçar poesias/crônicas com essa rede virtual!

há braços!

Jessé Júnior disse...

Vislumbrar a imagem criada pelas tuas palavras aquietam minhalma da correria do dia-a-dia. Obrigado caro amigo.

Gláucia Magalhães disse...

Eu não sou fã de Michel Costa à toa...
Esse menininho só não tem tamanho, por que TALENTO, tem de sobra. E isso faz dele esse GRANDE poeta, músico, amigo... o que mais hein?
Você me surpreende e sempre com coisas boas, que só fazem aumentar a minha admiração por ti!
Mas vê se da próxima vez sonha com um anjo moreno, dos olhos verdes, cabelos compridos... rsrsrsrsrs
Amo você!

Maria Juliana disse...

ÊEEEEEEEEEPPPPPPPPPPAAAAAAA!!!

Já tô na fila do sonho tá Grauçinha! Cuidado não ...

Há braços a todas e todos e vamos prestigiar Lidão no poesia encenada em junho no SESC/PB, com interpretação do grupo graxa, esse negócio vai ser no mínimo emocionante.

Beijos em versos só pra me bunito

sonhos crônicos disse...

Ei rapai, deixem meus sonhos quietos!! Quisera eu querer sonhar algo...Eles aparecem, feito impingem ,huauauuah (coisa horrível)
mas é assim mesmo,
"deixe a meta do poeta não discuta
Meta dentro e fora, lata absoluta
Deixa simplesmente metáfora"
(G.G.)