segunda-feira, 9 de junho de 2008











O que acontece com as pedras

Se esvaindo pelos dedos?
Onde estão os fios de lã
Que com tanto amor as segurava?
Foram as moiras?
Essas facas...tão reais...foi isso?

Sinto um sonho querendo acordar...
O que fazer, quando,
As coisas ganham sentido demais?
Será o real este acizentado?

São 07:00h e o sono não veio
Não tem poesia? Não, não.
O que me falta então?

Desconheço...

O que preciso...

Minhas flores cheirando pra mim...
A língua lisa
E os absurdos
Se escorando Em minha mente...

3 comentários:

Maria Juliana disse...

Olha que este deserto tem fim ...

Sua garganta pede um copo d àgua, hehheeh. Olha pra tua mão ...

Ela (d)escreve mesmo no que dizes ser secura!

Bebe!

Maria Juliana disse...

Bebe agalinha

Ribaobico pra cima

Q cÊs tudo são minha

Sou mais babau q tu!

breno disse...

Grande Michel ! estamos atentos e agora acompa-nhando sempre seus escritos poéticos(soube ha pouco deles, virei fã). muuuuto massa. parabens.
abraçao